Blog | Partage Shopping | Com você, transformando cidades e pessoas!

Como abrir uma loja em shopping?

6 minutos para ler

Você já pensou em abrir uma loja em shopping, mas não sabe por onde começar? Afinal, quais são os primeiros passos a serem dados para tirar um projeto como esse do papel?

Existem muitos obstáculos a serem superados, afinal, empreender pode ser uma prática repleta de desafios. No entanto, isso não significa que a trajetória também não proporcione uma série de oportunidades — e, se bem aproveitadas, elas podem ser um marco em sua carreira.

Pensando em dar alguns direcionamentos sobre como abrir uma loja em shopping, preparamos este conteúdo. Ao longo do texto, explicaremos como escolher o local e definir o ramo de atividade. Além disso, falaremos sobre plano de negócio, burocracias envolvidas e questões relacionadas. Boa leitura!

Escolha o melhor local

Você gostaria que o seu negócio fosse visto por centenas de pessoas diariamente, não é mesmo? Isso porque, quanto maior a exposição, maiores são as chances de atrair novos consumidores e, com isso, aumentar as vendas.

Para conseguir visibilidade, é fundamental fazer uma boa escolha do ponto comercial. Portanto, não basta optar por um shopping com localização privilegiada e um grande fluxo de pessoas. É preciso pensar na localização da própria loja dentro do empreendimento.

Vale ressaltar que, muitas vezes, as lojas de shopping têm um espaço reservado, que varia de 20 a 30 metros quadrados. Então, não deixe de caprichar na pesquisa e nas avaliações prévias: essa é única forma de compreender qual localidade funcionará como um ótimo ponto para a sua marca.

Nesse momento, alguns fatores que devem ser acompanhados de perto são:

  • comodidade;
  • fluxo de pessoas;
  • lojas vizinhas
  • segurança;
  • espaço;
  • acessibilidade;
  • conforto

Defina o ramo de atividade do negócio

Sua loja venderá artigos esportivos ou roupas femininas? Calçados ou brinquedos? Que produtos serão comercializados? Qual é o diferencial da marca? Responder a perguntas como essas é um passo e tanto para empreender de modo adequado.

A definição do ramo de atividade até parece uma mera formalidade em certos casos. Contudo, escolher um setor com o qual você não se identifica pode ser um equívoco.

Nesse sentido, também é importante compreender o momento pelo qual o mercado passa, pois decidir apenas de acordo com as suas preferências representa um risco.

Entenda o seu perfil de empreendedor

Existem diferentes perfis de empreendedorismo e cada um deles pode se adaptar com mais facilidade a determinados tipos de negócio. Portanto, é mais do que necessário compreender quais dessas características fazem parte da sua maneira de empreender.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Endeavor, divulgada pela revista Exame, estes são os tipos de empreendedores mais encontrados no Brasil:

  • independente;
  • arrojado;
  • desbravador;
  • apaixonado;
  • antenado;
  • empolgado;
  • provedor;
  • pragmático;
  • lutador.

Os perfis têm desafios específicos e diferentes traços em relação à idade, setor de atuação, escolaridade, estratégias aplicadas ao negócio e assim por diante. Tendo isso em mente, procure identificar qual está mais relacionado com sua personalidade. 

Faça uma análise do capital disponível

Como você sabe, há uma enorme diferença entre empreender com 100 mil reais e com 1 milhão de reais, não é mesmo? Apesar disso, muitos empreendedores dão início aos seus negócios mesmo tendo pouco capital disponível.

Independentemente do valor que você possa investir para começar, é indispensável que você se planeje para atingir os objetivos almejados. Caso contrário, uma eventual abundância de recursos pode diminuir mais rápido do que o esperado, inviabilizando as conquistas desejadas.

Além disso, avaliar o quanto você já tem é um passo imprescindível para saber até onde a sua loja pode chegar. Considere todos os investimentos que serão necessários inicialmente e faça estimativas sobre o fluxo de caixa. Alguns custos recorrentes são:

  • compra de produtos;
  • aluguel do espaço;
  • contas fixas;
  • decoração da loja;
  • entre outros.

Desenvolva um plano de negócios

Na prática, um plano de negócios nada mais é do que um mapa — no caso, elaborado a fim de mostrar os melhores caminhos para a sua loja em shopping. Além de indicar as rotas mais seguras, ele tem como objetivo diminuir o risco de possíveis imprevistos e permite visualizar as alternativas para chegar ao sucesso do empreendimento.

Uma boa forma de amadurecer esse plano é compreender o momento do mercado. Feito isso, há a necessidade de definir o DNA da sua empresa, ou seja, a missão, os valores e os objetivos que ela terá. Outras ações úteis para essa finalidade são:

  • entenda quem serão seus clientes — as preferências e hábitos de compra, o poder aquisitivo etc.;
  • conheça bem a futura concorrência e saiba como ela se posiciona em termos de marketing e estratégia;
  • analise os pontos fracos e fortes não só do seu negócio, mas também daqueles que competem com você;
  • trace a maneira que acontecerá o processo operacional de vendas;
  • planeje a estratégia de marketing que será usada;
  • pense na gestão financeira em termos de lucratividade, rentabilidade e retorno sobre investimento.

Conheça o público-alvo da sua loja

Para quem você pretende vender e de quais formas será feita a abordagem ao seu público-alvo? Para delimitar o seu target, é preciso considerar inúmeros fatores, como faixa etária, gênero, idade, hábitos de consumo, problemas a serem solucionados, classe social e educação.

Se a sua loja venderá artigos para pesca esportiva, por exemplo, é provável que o público-alvo sejam os homens de meia idade, pertencentes às classes A, B e C, que desejam investir no lazer. Contudo, ainda que isso pareça óbvio, é essencial fazer pesquisas e entrevistas para obter dados precisos.

Lembre-se das principais taxas e burocracias envolvidas

As taxas e burocracias variam muito, mas as mais comuns são as seguintes:

  • aluguel mensal: calculado pelo valor do metro quadrado — depende da localização;
  • fundo de promoção: é mensal e calculado de acordo com as vendas;
  • taxa de condomínio: cumpre função semelhante à taxa condominial cobrada em prédios residenciais;
  • Cessão de Direito de Uso (CDU): também conhecida como “luva”, é uma taxa inicial a ser paga ao proprietário do espaço.

Abrir uma loja em shopping pode envolver algumas etapas burocráticas. No entanto, se você tem esse objetivo, não poupe esforços para realizá-lo. O retorno, certamente, será muito positivo!

Que tal começar agora mesmo? Aproveite para entrar em contato com a Partage Shopping e entender melhor esse processo!

Posts relacionados

Deixe um comentário